Moradores de Niterói e São Gonçalo reclamam do barulho causado por ‘rolezinhos’ de moto

Adam Scott

Os rolezinhos, como são chamados os passeios em que dezenas de motos rodam juntas, têm tirado o sono de moradores de Niterói e São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio. O último aconteceu nesta sexta-feira (20), por volta das 3h.

“É ensurdecedor, atrapalha, atrapalha o sono os vizinho reclamam, não é fácil as vezes você tá já está dormindo e acordar com um barulho assim de repente”, disse a contadora Bárbara Rodrigues.
Os encontros são marcados pelas redes sociais.

O trajeto começa no bairro Nova Cidade, em São Gonçalo. Depois, as motos passam pelo centro, na avenida Presidente Kennedy e seguem até a rua doutor Alberto Torres, no bairro de Neves. Depois vão passando por vários bairros de Niterói, cidade vizinha, até chegar a Itaipu, para depois fazer o caminho de volta.

Os vídeos, feitos por moradores, mostram centenas de motos atravessando uma avenida.

“Incomoda bastante, de madrugada a gente está dormindo, no dia seguinte tem que acordar cedo para trabalhar e passa aquele pessoal tocando horrores. Vão para Icaraí, vão para a região oceânica. A maneira como eles fazem, alguns fazem, fazendo estripulias no trânsito, não cumprindo as regras de trânsito, faz com que eles sejam hostilizados”, afirma Celso Côrtes, morador de Niterói e motociclista.

No Méier, na Zona Norte do Rio, os moradores também têm que lidar com o som das motos.

A prática não é proibida, mas os participantes acabam cometendo diversas infrações no trânsito, como circular com motos com escapamento aberto, o que aumenta o barulho.

Alguns empinam as motos, o que é considerado uma infração gravíssima. Em um vídeo, motoqueiros ainda fazem isso na contramão.

“As motos que fazem o rolezinho são as mesmas que têm no dia a dia na cidade. Cadê o poder público? A moto não tira a descarga e vai fazer o rolezinho para fazer o barulho, ele fez barulho o dia inteiro rodando pela cidade. Cabe ao poder público fiscalizar essa doideira que eles fazem”, disse Celso.

Em 2020, o Ministério Público do Rio ajuizou uma ação civil pública para que o município de Niterói fiscalizasse e reprimisse a circulação de veículos, especialmente motocicletas, que produzem ruídos acima do permitido por lei.

É o caso das motos que trafegam com o escapamento aberto ou modificado intencionalmente para gerar sons mais altos. É uma moda que, segundo o MPRJ, provoca poluição sonora e perturbação à população.

“A gente fica de pés e mãos atadas porque a quem a gente vai reclamar quanto a esse barulho? Eu realmente não sei a quem recorrer”, afirmou Bárbara.

Notas
O Detran informou que coordenada a operação Siga Legal, com 16 ações de fiscalização de trânsito diárias para coibir, entre outras infrações, a circulação de motos com características adulteradas.

A Polícia Militar disse que atua coibindo tal prática, abordando, checando documentações e veículos, e conduzindo os envolvidos às delegacias, e que os batalhões de Niterói e São Gonçalo já estão trabalhando para mapear as rotas de circulação e interceptar os participantes.

A Secretaria de Transportes de São Gonçalo, informou que realiza operações de fiscalização de motos, e que nos últimos seis meses, foram feitas 30 operações, que resultaram na apreensão de cerca de 800 motocicletas irregulares e na prisão de 7 motociclistas por adulteração de placas.

O Segurança Presente disse que realiza diariamente ações preventivas e que entre abril e setembro, os agentes conduziram 1.506 motoristas de veículos às delegacias do rio de janeiro por suspeitas de adulteração na identificação de motos e carros.

A prefeitura de Niterói informa que está elaborando um modelo de gestão compartilhada, envolvendo órgãos municipais e estaduais, para fiscalizar a circulação de motocicletas que produzem ruídos acima do permitido por lei.