Yamaha apresentará sistema revolucionário que pode evitar quedas de motos

Adam Scott
Adam Scott
2 Min Read

A Yamaha está prestes a surpreender o mundo com suas mais recentes inovações em tecnologia de segurança. Durante o Salão do Automóvel de Tóquio, marcado para o fim de outubro, a empresa japonesa apresentará a scooter elétrica Elove e um robô chamado Motobot, ambos equipados com o revolucionário Sistema Avançado de Assistência à Estabilização de Motocicleta (Amsas).

O grande destaque desses novos modelos é o Amsas, um sistema desenvolvido após anos de pesquisa para proporcionar um novo nível de segurança e conforto aos motociclistas.

Este dispositivo inovador é projetado para evitar quedas decorrentes de distrações ou falta de habilidade dos condutores, ao mesmo tempo, em que abre portas para novas possibilidades de mobilidade, especialmente para pessoas com deficiência motora.

Equilíbrio total a baixas velocidades
A nova tecnologia consegue manter motocicletas equilibradas em velocidades baixas, algo que pode ser um verdadeiro divisor de águas em termos de segurança.

Utilizando uma unidade de medida inercial (IMU) de 6 eixos e atuadores estrategicamente posicionados no guidão e na roda dianteira, o sistema controla automaticamente a força do motor, permitindo que a moto mantenha seu equilíbrio de forma autônoma.

Isso significa que, mesmo em situações de tráfego intenso ou manobras complicadas a baixas velocidades, o Amsas entra em ação, prevenindo acidentes e proporcionando uma experiência de pilotagem mais segura.

Inovação para todas as motos
A Yamaha não está limitando o potencial do AMSAS apenas a seus novos modelos. A empresa está explorando a possibilidade de instalar esse sistema em motos já existentes, o que significa que pilotos de motocicletas mais antigas também poderão desfrutar de uma experiência mais segura nas estradas.

Conforme a marca, o Amsas é eficiente apenas em velocidades de até 5 km/h, uma limitação que é importante ter em mente. Em velocidades mais altas, a estabilidade da moto ainda depende das habilidades do condutor, pois o sistema não intervém.

Share This Article